CONSTRUINDO A RELAÇÃO MÃE-BEBÊ

October 9, 2016

 

Apesar de acharmos que o amor materno não nasce porque já existe, a chegada do bebê vai sacudir inúmeras crenças. É a mesma situação de quando, meninas, brincávamos de bonecas e imaginávamos situações românticas. Ao encontrar o parceiro, a realidade mostra como são complexas as relações e como precisam de tempo para se estabilizarem. Relacionar-se é um processo, não um estado. O mesmo vale com o bebê, com a dificuldade de que ele não fala nossa linguagem e aciona mecanismos profundos, emocionais e sentimentais, com os quais precisamos aprender a lidar. Em quantas situações podemos ficar assustadas sem saber o que está acontecendo? Imaginamos então desastres e perigosos muitas vezes infundados. Somos empurradas a tomar atitudes quando nem sempre temos clareza sobre o que é melhor fazer. Precisamos decidir rapidamente e agir, ou deixar de fazer e confiar na natureza.

 

 


O vínculo mãe-bebê começa desde a relação intra-uterina, mas se desenvolve de verdade durante mamadas, trocas de fraldas, decisões responsáveis, toques e olhares; mães e filhos vão se descobrindo, se  conhecendo ao longo das horas, dias, meses e anos em que convivem. Parece então que o amor cresce, se fortifica, amadurece. O amor precisa de tempo para se tornar uma realidade sólida, verdadeiramente concreta. Mesmo para as melhores e mais resolvidas das mães o amor pede um tempo para se tornar uma realidade efetiva.

Uma das primeiras formas de estabelecer o vínculo com o bebê é a amamentação, que é alimentação e relação, o que nesse início de vida sintetiza o que é “amor”. Outra forma é o toque: após o primeiro mês de vida se pode fazer Shantala e já no primeiro mês pode-se usar o Toque da Borboleta, suave e calmante.

Conversar e contar histórias, o que se faz, o que se pensa, o que se sente, cantar para ele, mesmo que o bebê não entenda racionalmente, é um bom começo de relação. O tom da voz, a qualidade da energia emanada pela mãe faz a diferença. Quando contamos para alguém de forma honesta e tranqüila o que está acontecendo, lhe transmitimos também uma energia confortadora e acolhedora. É esta que o bebê recebe. Não é necessário sempre distraí-lo fazendo brincadeiras e parodiando nossa voz e feição como se fôssemos palhacinhos de circo! Os bebês têm uma profunda seriedade para com a vida. O que eles estão vivendo é primordial, essencial e urgente. Importante. São graciosos mas seriamente reais.

O vínculo com o bebê refletirá também quem a mãe é. É importante lembrar que uma relação é sempre algo de mão dupla. Cada um é um e os bebês já são indivíduos singulares e únicos desde o nascimento, aliás, desde o útero. Contudo seu crescimento e modo de ser espelhará também a realidade da mãe, quem ela é, que tipo de pessoa e mulher ela é, suas crenças, seu estilo de vida e seus desejos (os ditos e assumidos e os escondidos). Para uma boa qualidade do vínculo mãe-bebê é preciso que o primeiro sujeito desse vínculo – a mãe – cuide de si mesma, detecte suas necessidades e procure aquilo que lhe faz bem e a possa ajudar. Isso é ser uma “boa mãe”.


Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags