PARTO NORMAL NA REDE PÚBLICA

January 29, 2017

 

 

A Rede Pública compreende hospitais do SUS, beneficentes e universitários. Como geralmente atender a população chamada “carente” acredita-se que sejam de “segunda classe”. Não é considerado um distintivo de status dar à luz num hospital público. Entretanto, no campo da humanização é aqui que encontramos algumas alternativas interessantes que permitem experiências de parto mais positivas!

 

Não idealizemos, porém. Na grande maioria deles reinam os problemas típicos da rede pública de saúde: lotação, falta de leito, pouco investimento nos recursos humanos, atendimento apressado, impessoal e desinteressado (o que também pode acontecer nas maternidades privadas!).


A parturientes, além de estarem na maioria das vezes desorientadas, sem informações, sozinhas e em pleno trabalho de parto (da mesma forma que suas irmãs mais ricas), por serem mulheres de baixa renda recebem o estigma que prega a mulher ao sofrimento do parto (de antigas lembranças bíblicas). Porque os recursos são públicos e, portanto, escassos, sua dor não lhe é sempre poupada e o apoio emocional deixa muito a desejar.


Entretanto, têm aqueles oásis de parto que são alguns hospitais públicos onde já foram adotadas “rotinas humanizadas” como: liberdade de movimento, acompanhante, apoio físico e emocional constante. Os diretores destes hospitais têm consciência da necessidade de mudança do modelo obstétrico e estão trabalhando para a transformação do atendimento.


A vantagem do sistema público é que se tende a não abusar da tecnologia. A necessidade de economia se torna um benefício para a mãe e seu bebê. Falta ainda o investimento nos recursos humanos e uma política administrativa mais estratégica e corajosa.



Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags