DEPRESSÃO PÓS-PARTO: CONTEXTUALIZANDO E USANDO O BOM SENSO

February 8, 2017

 

 

"O pós-parto é um período de risco psiquiátrico aumentado no ciclo de vida da mulher. A depressão pós-parto, também conhecida como postpartum blues, pode se manifestar com intensidade variável, tornando-se um fator que dificulta o estabelecimento de um vínculo afetivo seguro entre mãe e filho, podendo interferir nas futuras relações interpessoais estabelecidas pela criança. ...

 

Apesar das controvérsias, vários fatores podem ser mencionados como possível causa da depressão pós-parto, entre eles: 

 

Fatores biológicos

São os resultantes da grande variação nos níveis de hormônios sexuais (estrogênio e progesterona) circulantes e de uma alteração no metabolismo das catecolaminas causando alteração no humor, podendo contribuir para a instalação do quadro depressivo.

 

Fatores psicológicos

São os originados de sentimentos conflituosos da mulher em relação:

- a si mesma, como mãe

- ao bebê

- ao companheiro

- a si mesma, como filha de sua própria mãe

 

Outros fatores, relacionados às condições do parto, à situação social e familiar da mulher gerando sobrecarga, também podem desencadear esses distúrbios."

 

Este texto extraído do site ABC da Saúde serve como alerta mas deve ser lido com senso crítico.

 

A psiquiatria, como a obstetrícia, tende a enxergar o síntoma sem ver o contexto. Assim como o médico obstetra tradicional não sabe lidar com a individualidade da mulher, o psiquiatra tradicional não insere os sintomas dentro de um contexto significativo.

 

No caso do parto, precisamos pensar e nos perguntar:

1) A gestação foi escolhida?

2) A mulher tem condições econômicas, sociais e profissionais satisfatórias?

3) Como é a relação com a mãe e a família de origem?

4) Como é a relação de casal?

5) Quais são os projetos profissionais da mulher e como pensa em administrá-los após o nascimento do bebê?

6) Ela tem amigas e suporte emocional?

7) O marido ajuda?

 

Cada problema está inserido numa situação mais ampla. É como aquelas bonecas russas, uma dentro da outra. Não adianta tratar a pequenina quando ela se encontra dentro de várias outras que estão contaminadas. O resultado que obteremos é uma mulher que se considera doente, cuja postura perante a vida vai mudar para pior. É importar pensar que toda as vezes que damos ou nos damos um diagnóstico estamos nos encerrando numa caixa. Estando formadas desta maneira, o mundo terá que moldar-se também e assim acontecerá com nossas relações, inclusive a com o bebê.

 

Uma "caixa" pesada como a que se chama "depressão" implica num mundo escuro, pequeno e limitado, do qual pode ser muito mais difícil sair do que entrar. Ao inves de fecharmo-nos numa caixa como esta, se reconhecermos um a um os vários elementos que concorrem ao nosso mal estar, podemos ir modificando uma coisa aqui outra ali, sendo desta forma ativas e indo em frente. Como qualquer um pode ver, as perguntas acima não recebem resposta positiva na grande maioria dos casos. Sobretudo hoje, sobretudo num mundo complicado e em rápida e confusa mudança como o atual. O que esperamos das mulheres?

 

Toda grande mudança existencial é difícil. Há pessoas que não se sentem capazes de enfrentá-la, mas se bem orientadas darão os passinhos que aos poucos as levará para fora do momento crítico.

 

É preciso muito bom senso e sensibilidade humana.



Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags