AMAMENTAÇÃO SOB LIVRE DEMANDA E MATERNIDADE ATIVA

March 23, 2017

 

 

Julia é uma bebê de um ano e sete meses. Mamou no peito sob livre demanda, conforme a convicção da mãe a respeito da importância da amamentação e do vínculo que esta proporciona. De fato, a Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses e o aleitamento continuado até os dois anos e meio.

 

A amamentação é muito mais do que alimentar o bebê. É relação, e como todas as relações, contém muito mais do visível. O bebê busca o peito toda vez que se sente desconfortável, que tem medo, que está cansado, assustado, etc. Mamar é sua forma imediata de aplacar qualquer mal estar. E é importante que o bebê tenha esse recurso. É indispensável até. Mas até quando?

 

Enquanto a amamentação ocorre, a mãe também sente coisas: sente o bebê, o que está lhe acontecendo, suas mudanças... e sabe também quando o bebê está “brincando” com seu bico do peito, quando está “chupetando” e não mamando. Às vezes, está bem assim para oportunizar aquele momento de intimidade. Mas a mãe percebe também seu próprio cansaço e quando surge a sensação de que seria melhor dar menos peito... O que fazer? É preciso olhar de perto a situação.

 

Vejamos o caso de Julia. Julia é uma bebê muito bem cuidada. Mamou sempre que quis, gosta de mamar e tem forte vínculo com a mãe, apesar de ser capaz de se relacionar com adultos e crianças em lugares públicos e de se afastar da mãe para explorar as redondezas. Muita atenta e observadora, analisa objetos e pessoa. Mas sua mãe precisa estar à sua disposição.

 

E vejamos a mãe de Julia. A mãe de Julia é uma mulher tão dócil e receptiva às demandas alheias quanto Julia é decidida e consegue o que quer. Natural, não? É mãe-e-filha: uma diade que forma uma unidade, a filha combinando com o aspecto da mãe que esta não expressa. Leia-se Laura Gutman. A mãe de Julia assumiu a maternidade em toto, corajosamente e com todas as demandas e sacrifícios necessários. Ela acredita na importância desse engajamento. E nesse momento, está sentindo uma tendência interna a diminuir um pouco a amamentação, mas Julia parece não concordar.

 

Neste caso, a mãe de Julia precisa dar mais um passo em sua caminhada na maternidade ativa e assumir um pouco daquilo que a filha tem: determinação na liderança. O que significa, assumir o controle, com doçura e firmeza, de alguns momentos em que a filha quer mamar para encaminhá-la para outras formas de resolver suas necessidades que não seja através do peito.

 

Este movimento não tem simplesmente a função de “evitar” uma mamada ou de “ir parando com as mamadas”. É algo muito mais profundo e importante do que isso. Se uma mãe antenada com a maternidade, que está engajada na amamentação e no desenvolvimento da filha, sente que é está na hora de diminuir o número de mamadas, então esta mãe está “canalizando”, por assim dizer, uma necessidade evolutiva da própria filha.

 

Uma bebê com personalidade forte, acostumada a ter o peito e quase tudo sob demanda, terá um apego mais determinado, pois tem um ego embrional mais determinado que vai gerar mais apego. Se uma mãe receptiva e honestamente engajada sente o que sente, é porque corresponde não ao seu ego ou a uma regra exterior mas à própria necessidade do desenvolvimento da filha. É como se uma voz interior dissesse: “Está na hora.”

 

Cabe então à mãe, tomar as rédeas e, ao reconhecer por que a filha quer mamar naquele momento, oferecer-lhe outras soluções para sua necessidade.

 

 

Adriana Tanese Nogueira

 

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente – Presencial, Skype, por telefone e por escrito. Boca Raton, FL +15613055321. www.adrianatanesenogueira.org.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags