PARTO DOMICILIAR: COMO É

September 23, 2017

 O parto domiciliar é aquele realizado na casa da própria gestante, de forma natural com a presença de profissional capacitado acompanhando o trabalho de parto.

 

A indicação


Partos domiciliares são indicados para gestações de baixo risco entre a 38º e 42º semana de gestação, para os casais que desejam uma vivência plena, em ambiente tranqüilo, do momento do parto.


A técnica


O parto em casa acontece espontaneamente como descrevi no parto natural. A diferença é que a equipe profissional responsável pelo acompanhamento da gestante se desloca para a residência da paciente e deve levar consigo os materiais necessários para o acompanhamento ao parto; algumas drogas e soros, caixa com instrumentos cirúrgicos, materiais para reanimação do recém nascido, e nas grandes cidades uma ambulância deve ficar de prontidão na porta caso haja necessidade de uma transferência para realização de uma cesariana em um hospital. O parto domiciliar favorece a ocorrência de uma experiência natural e tranqüila, porém, não irresponsável, por isso deve ser realizado tendo disponível toda tecnologia para garantir a segurança da mãe e do bebê como acontece dentro dos hospitais. Esta tecnologia apesar de estar disponível praticamente nunca é necessária.


O parto domiciliar é acompanhado por uma pequena equipe (obstetra e/ou enfermeira obstetriz, pediatra e uma doula é opcional) que a família conhece previamente, para não provocar constrangimentos neste momento.A equipe que acompanha este tipo de parto deve ser experiente para não tomar decisões precipitadas ou tardias.


Os riscos


Os partos domiciliares costumam ter uma porcentagem maior de nascimentos sem intercorrências e sem a necessidade de intervenções medicamentosas ou cirúrgicas, o que diminui as chances de complicações iatrogênicas.

A maior dificuldade acontece quando o parto não transcorre como deveria e há necessidade de uma cesariana, neste caso a paciente deve ser levada a um hospital. Os outros riscos são os mesmos que os de um parto normal no hospital e podem ser resolvidos na própria casa da paciente.



Considerações psico-emocionais sobre o parto domiciliar


Qualquer animal em seu habitat natural tem suas funções fisiológicas  preservadas. Esta regra não é diferente para os seres humanos. Sendo o parto uma das funções fisiológicas da mulher, ele acontecerá mais facilmente se a parturiente estiver em sua casa.


Uma das explicações desta facilidade é a menor estimulação do neocórtex (parte do cérebro que detém as funções intelectuais), pois estando em seu ambiente, a mulher não precisa utiliza-lo para adaptar-se continuamente aos novos estímulos visuais, sonoros, olfativos, auditivos, táteis e psicológicos. A não estimulação do neocórtex libera a parte mais primitiva do cérebro que comanda as funções involuntárias do organismo permitindo que o trabalho de parto aconteça espontaneamente.


É muito comum a mulher sentir-se intimidada pela presença de pessoas  estranhas invadindo seu corpo com olhares, vozes, toques, etc. No parto domiciliar a mulher escolhe as pessoas que deseja para acompanha-la eliminando constrangimentos.


O mais importante do parto domiciliar é que o nascimento é desmistificado, no sentido de ser considerado um acontecimento da natureza feminina e da família, cuja maior recompensa é o desfrutar pleno que facilita a formação de vínculos afetivos fortes gerando mulheres, crianças e homens íntegros e conscientes.

 

Betina Abs da Cruz Bittar é médica ginecologista, obstetra e acupunturista. Atende partos domiciliares. Atua e reside em Botucatu (SP). Atende em São Paulo (SP). Email: betinamac@uol.com.br

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags