ALIMENTANDO O AMOR

A amamentação é, em primeiro lugar, um ato de amor. Após darmos à luz, damos nutrimento e amor, aconchego e acolhimento (ser mãe é mesmo um trabalhão!) Durante a amamentação se processam inúmeras informações e experiências em todos os níveis do ser da mãe e do bebê. O contato pele a pele é já por si só rico em nutritivos psicológicos. Quanto aos nutritivos biológicos vou deixar a palavra ao senso comum, às tradições e as pesquisas científicas, além da experiência direta: é mais do que sabido, demonstrado e comprovado de que o leite materno é o melhor alimento para o recém-nascido (os artigos nessa seção vão apresentar o que estou dizendo).


O leite materno não necessita de nenhuma integração, nem de água, de chazinhos ou qualquer outro alimento. A sabedoria da natureza se manifesta também após o nascimento: qualquer fêmea tem como garantir a sobrevivência de seu filhote, provendo alimento e proteção imunológica ao mesmo tempo. E enquanto isso você aproveita uma oportunidade única para perder uns quilos adquiridos na gravidez, numa época em que vai ser difícil ir à Academia!


A amamentação é, além disso, de uma praticidade impressionante. Você pode dar de mamar a seu filho em qualquer situação, local e momento. Não precisa ferver bicos e mamadeiras, não precisa de nada a mais do que você mesma e o bebê. O leite materno já está na temperatura certa, possui os componentes certos nas diversas fases da mamada. Não só prático, o leite materno é barato: por que gastar mais do que o grande investimento em fraldas, roupinhas e acessórios para seu bebê?


Mamar é a melhor forma de conhecer sua mãe, sentir-se quentinho, protegido, acalmado. Dar de mamar é a melhor maneira de encontrar um momento de calma e concentração nos primeiros tempos de maternidade, você pode olhar para seu bebê e “senti-lo”, “saboreá-lo” com a alma, sem as correrias ou o estresse das fraldas a ser trocadas e dos choros que acontecem (e que também fazem parte da relação).

Amamentar é doar-se, crescer junto, descobrir tateando, cheirando, admirando o que é maternidade.


É recomendada a amamentação exclusiva até o sexto mês de vida do bebê. Contudo, como mamar não é só uma questão de alimentar-se, mas de relacionar-se, há quem sugere que deve durar até quando os dois envolvidos – mãe e filho – se sentirem à vontade. Entre os povos “primitivos” ela dura geralmente até os dois anos e meio da criança.  Pode ser mais, pode ser menos. Importante é não fazer da transição um período traumático e ter a sabedoria de saber conciliar as necessidades da mãe com àquelas do filho, para preservar a relação e encaminhá-la para uma nova fase.


Qualquer problema com a amamentação, dificuldades, dúvidas, inseguranças, questionamentos é de grande importância buscar apoio, esclarecimento e informação. Os Grupos de Apoio à Amamentação estão aí para isso.


Quem não quer amamentar, talvez possa mudar de idéia ao receber orientação e apoio de especialistas e outras mães. Para quem não pode amamentar (por qualquer motivo), saber o que você e seu filho estão perdendo pode ser uma oportunidade não para se culpar ou fechar os olhos negando as evidências, mas para encontrar formas alternativas de contato e de desenvolvimento da relação. Afinal, o amor se faz em muitos modos!



Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags