HUMANIZAÇÃO DAS RELAÇÕES

 

"Por estar nos estágios de neonatalogia e obstetrícia, estou tendo a oportunidade de acompanhar alguns partos e perceber como é difícil mudar atitudes simples. É interessante como os próprios profissionais de saúde se mecanizaram e não analisam de forma crítica suas palavras e atitudes. Como todo mundo faz de uma determinada forma e "sempre" foi feito assim, continuamos fazendo.

 

Às vezes me questiono de que valem todos os anos de estudo e o clichê do raciocínio lógico, do raciocínio científico, se nos recusamos vez por outr,a, de parar, analisar e avaliar nossas condutas. É incrível como nos tornamos meros repetidores das atitudes e idéias alheias, sem nos questionar se aquilo realmente tem fundamento.

 

Quanto ao decúbito dorsal, existem diversos estudos que contraindicam esta posição durante TP e parto, além do que são frequentes as complicações que esta posição trás. Não adianta dizermos que ela é necessária ao conforto e à comodidade da equipe, pois por experiência própria não interfere. O fato da mulher estar acocorada, de quatro ou em decúbito lateral não nos atrapalha de forma alguma a realizar exames de toque, controle de dinâmica uterina ou monitoração cárdio-fetal. Mas essas posições trazem grandes benefícios à parturiente.

 

Acredito que falte apenas coragem e humildade para nos colocarmos no lugar que nos cabe, o de auxiliadores, e repensar nossas ações. O compromisso que tanto médicos como enfermeiros fazemos é de atuar em prol do benefício do cliente, e sinceramente isto é que menos vejo. Normalmente me deparo com pacientes assustados, ansiosos por não saber o que se passa com eles, desconfiados, ou seja desrespeitados enquanto pessoas e desatendidos em suas necessidades.


Durante o meu parto, uma das coisa que me deu mais força e fez com que eu tivesse novo fôlego para continuar, foi o obstetra pedir para que eu sentisse a cabeçinha de meu filho, pois faltava tão pouco para que eu o tivesse em meus braços. Engraçado, uma coisa tão simples fez tanta diferença. E mesmo podendo ver e sentir tudo o que acontecia, isso não impediu que fosse feito uma monitoração efetiva e segura e também não "contaminou" o feto ou campo, como dizemos.


Abraços...

Fabiane"

 

Esta bela reflexão foi feita por uma de nossas alunas do curso de formação de doula parto. Ela toca o coração do que eu considero humanização. Humanização é para mim estimular e promover o senso crítico em mulheres e em profissionais. Ambos tendem a fazer o que o estereótipo manda, o que os outros falam, o que é costume fazer, o que a mãe ou amiga fez. Assim fazendo, se perde o momento. O que se sente agora? O que funciona agora? O que está agora nos olhos da outra pessoa e que eu posso lhe dar para que ela fique melhor?

A mecanização dos comportamentos matam as relações. Deixamos de ser humanos quando nos relacionamos aos outros como máquinas e os tratamos como objetos. Muitas grávidas fazem isso com seu próprio corpo e muitos médicos e enfermeiras fazem isso com as pessoas que passam pelos seus cuidados. Que tenham turnos e limitações de tempo e energia não é e não pode ser desculpa. Vivemos hoje em dia, todos, crianças e adultos, numa vida corrida que consome nossas energias. Porém, um olhar, um gesto, uma atenção não custa tempo. Custa sair do transe e acordar para o presente. Estar no aqui e agora, enriquecendo a alma da troca e união com outro ser humano.



Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags