NÃO ENTRAR EM TRABALHO DE PARTO

“Prezadas Amigas do Parto,

 

Tive conhecimento do site nos últimos dias, pesquisando na net sobre parto natural.

 

Sou gestante com 37 semanas, já tenho um filho de 2 anos e meio que nasceu de cesárea com 41 semanas. Não houve nenhum problema, só não entrei em trabalho de parto... daí, uma cesárea que eu não queria...

 

Agora, estou desesperada por orientação de como alcançar um parto normal, minha obstetra é a mesma que acompanhou a minha primeira gestação. Não conheço outro que atenda meu plano de saúde... e que pudesse me ajudar.

 

A esta altura, já estou disposta a pagar até uma consulta para ter orientação, se houve alguma coisa que eu possa fazer para favorecer as condições do parto normal.

 

Aguardo.


Ansiosamente,

 

Patrícia”



Patrícia,


Vou te indicar o nome de uma obstetra-parteira.


Agora, veja bem, precisa que você entenda o que aconteceu em seu primeiro parto. Você diz que “não houve problema nenhum”, só “não entrou em trabalho de parto”.

 

Isso é um problema. Mas não no sentido fisiológico. Pensa bem, como é que uma mulher fica sem entrar em trabalho de parto? Ela está grávida, com um bebê dentro de si, prontinho para sair. Ele está apertado lá dentro. Bebês saem, quando prontos, há milhões de anos. É um roteiro entranhado em cada célula de nosso corpo e do dele. O que significa, então, que não se entra em trabalho de parto?


Se, como tanto se fala, o parto é um evento fisiológico, ele ocorre fora da vontade humana. Da mesma forma, respiramos, digerimos e defecamos sem termos que decidir sobre cada um desses fenômenos.


Porém, como somos humanos e falamos de um parto real e não abstrato, respirar, digerir e defecar podem ser comprometidos se houver tensão, medo e estresse. Isso significa que as nossas emoções jogam um papel importante. O mesmo vale para o parto. Quantas emoções um parto tras, levanta e amplifica? Quantas delas são conscientes? Quantas são trabalhadas e integradas?

 

Vejo muitas mulheres que “não entram em trabalho de parto”, como se isso foi uma coisa normal, possível de acontecer. É normal sim, quando se está assustada e insegura. É normal não entrar em trabalho de parto quando há algo que desestabiliza. Um animal é capaz de interromper o trabalho de parto se sentir perigo. Inteligentemente, ela vai parir em outro lugar, num lugar seguro.

 

Você precisa entender o que aconteceu no primeiro parto, porque só entendendo a história não a repetimos. Você disse que está com a mesma obstetra e busca desesperadamente outra. Parece que percebeu que ela deve ser responsável em parte pela sua cesárea não quista.


De fato, medo e insegurança são reforçados por um pré-natal feito com uma obstetra que tem uma alta taxa de cesáreas e que, consequentemente: 1) não sabe acompanhar um parto natural; 2) não acredita na capacidade feminina de dar à luz, tendo uma idéia equivocada do parto.


Não basta, porém, encontrar uma obstetra bacana, porque não é ela que vai parir. Quem vai fazer o parto é você. Por isso precisa que você compreenda seu parto anterior para fazer um novo de forma diferente.


Há muitos artigos e assuntos no site para você ler e amadurecer, pesquise.


Qualquer coisa, estou à disposição.


Um abraço



Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags