PARTO DE ELITE E VALORES

A mensagem foi enviada para uma lista de discussão pública. Achei-a tão esclarecedora da situação que estamos vivendo que resolvi trazê-la para cá.

“Olá,

Estou descobrindo que o parto humanizado em Brasília é produto especializado para a elite. Os médicos que atendem dessa forma cobram honorários altos. Nós da classe média que dependemos de plano de saúde ficamos sem alternativa.

Chego a achar que nesse quesito o atendimento público é melhor, mas não vejo sentido em ocupar uma vaga no hospital público, sempre com leitos insuficientes, ou casa de parto que atende a população de baixa renda.

Nos últimos meses temos procurado médicos do plano de saúde, sem nenhum sucesso. Em muitos casos a secretária já alerta que só trabalham com cesárea, que são "intervencionistas". A maioria não conversa por telefone, e temos que agendar consulta para ter mais informações. Isso acontece quando a secretária fala que, a princípio, o parto é uma decisão conjunta do médico com o paciente.

Assim, marcamos consultas com 7 médicos distintos nas últimas semanas, e com todos ficamos muito inseguros quanto ao parto. Há desde aqueles que, na conversa, começam a defender a cesárea, até uns que dizem que o assunto tem que ser discutido mais para frente (um deles disse que só podemos discutir melhor como vai ser o parto com 38 semanas!).

Ou seja, estou no momento sem médico, e com o risco de acabar com um desses com a total insegurança se na hora do parto vou ser induzida a uma situação não desejada...

É meu primeiro filho e não imaginava que a realidade para se ter um filho no Brasil era tão triste. Se bobear vou ser uma das 70% que desejam parto normal e terminam com cesárea...

Abraços,

Giselle”

Esta mensagem levanta algumas questões importantes. Se trata de dilemas que não poderão ser adiados por muito tempo, pois o número de mulheres insatisfeitas com a situação está em aumento.

O parto humanizado acaba sendo frequentemente um parto de elite. A lei da demanda e da oferta vale aqui também. Como há poucos profissionais e geralmente não trabalham com plano de saúde, o serviço é cobrado como fosse outro qualquer, talvez até um pouco mais por representar algo “diferente”.

Cabe às mulheres exercitarem pressão. A classe média é quem paga o preço mais alto, esmagada entre duas realidades oposta: o serviço público tradicional e os valores tradicionais do novo parto humanizado.

Por outro lado, a classe média poderia começar a rever suas idéias quanto ao serviço público. Nem sempre sua qualidade deixa a desejar. Se houvesse mais mulheres de classe média utilizando o serviço público, quiça que sua qualidade não cresceria exponencialmente. E no que diz às Casas de Parto, por que tratá-las como locais de série B para se ter um parto só porque elas são do SUS?

Não vamos nos esquecer que temos voz, e que por isso podemos pedir, reclamar, conversar, negociar, exigir. Isso se chama exercício da cidadania. Não precisa brigar, basta mostrar que se vê, sente e pensa. E que se quer participar das decisões.

Aos obstetras (sejam eles médicos ou enfermeiras) pedimos que reflitam sobre o sentido de sua prática. Parece-me haver uma esquizofrenia entre promover o parto humanizado inspirando-se no “hormônio do amor” e no “empoderamento da mulher”, e, do outro lado, assujeitá-lo às impiedosas leis do capital, no interior de uma sociedade que se mantém classista.

Não tenho soluções. Este é um debate porém que precisa ser levantado e cuja solução vai depender do engajamento de muitos, mulheres usuárias e profissionais de saúde.

Para mim, humanização vai além do basear a prática em evidências científicas. Se acreditamos que “para mudar o mundo é preciso mudar a forma de nascer” (Odent), o obstetra humanizado é convidado a possuir consciência social e engajamento cívico, além de competência técnica.

Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

#valoresparto

Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
Nenhum tag.
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2018 Amigas do Parto

  • Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now