PAGAR O MÉDICO POR FORA (DO PLANO)

“Bom dia!

Estou grávida de 18 semanas e hoje pela manhã tive uma consulta com o meu médico de onde sair muito chateada.

Quero muito ter um parto normal e meu médico disse que só faria se eu pagasse 1.000,00 pra que ele pudesse ficar a minha disposição, pois quando a mulher entra em trabalho de parto não podemos saber a hora exata que o neném vai nascer.

Achei absurdo!


Estou totalmente perdida, sem saber o que fazer. Gostaria de alguma orientação... não sei se troco de médico, se paro de pagar o plano de saúde, se vou ter minha filha na rede pública... não sei. Estou sem saber o que fazer.

Vocês poderiam me ajudar com alguma indicação?

Obrigada,

Paula”

Cara Paula,

Sinto muito pela sua situação. Infelizmente, você não é uma exceção. Recebo muitas mensagens como a sua.

Sua situação levanta um dilema importante para a humanização. Os tempos que um parto natural requer são longos e parece que o que os planos pagam não é valor que os médicos consideram suficiente. De modo que a maioria dos obstetra sequer pensa em algo diferente de uma rápida e prática cesárea. Apesar de pouco ético, é o comportamento padrão. Certamente para nós que pagamos um plano de saúde e depois não temos o atendimento que, não só desejamos, mas que corresponde ao que seria qualidade em saúde, é uma situação dramática. Se os planos parecem oferecer saúde “industrializada”, a humanização promove a atenção individualizada e centrada nas necessidades da mulher e de sua família.

Temos ainda um longo caminho para chegar a realizar a humanização em   nível nacional e como atendimento acessível a todas as mulheres. Na espera, cabe aprender a dizer não e ir atrás de um profissional que melhor nos assista. Minha sugestão para quem tem plano é checar todos os médicos disponíveis da lista.

Já que o cenário é esse, precisamos mudar nossa postura e agir como se fôssemos uma empregadora em busca de um funcionário apropriado para o trabalho. Já que as consultas pelo plano são “de graça”, se trata de dar-nos o trabalho de ir marcando com tantos obstetras quanto precisar até encontrar alguém que nos agrade. A consulta deve ser conduzida como se fosse uma entrevista a um possível candidato. 



Adriana Tanese Nogueira, Psicanalista, filósofa, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto. www.adrianatanesenogueira.org

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags