FISIOTERAPIA NO PÓS-PARTO: UM AUXÍLIO PARA A DOULAGEM

December 2, 2019

 A fisioterapia é de suma importância para uma melhor recuperação das puérperas; seu papel consiste na recuperação, prevenção e tratamento de alterações em todos os sistemas além das orientações gerais.A atuação fisioterapêutica durante o puerpério pode ser iniciada logo após o parto, respeitando apenas um período de repouso de seis horas para o parto normal e doze horas para o parto cesárea. O atendimento é iniciado com a coleta de dados, da história da gestação e parto.

 

            A intervenção fisioterapêutica no puerpério imediato tem como objetivos:

 

proporcionar e orientar quanto ao posicionamento no leito, reeducação da função respiratória, estimulação do sistema circulatório, restabelecer a função intestinal, reeducação dos músculos abdominais, reeducação da musculatura de assoalho pélvico, promover analgesia no local da incisão perineal ou cesárea e orientações gerais em relação aos cuidados com as mamas, quanto às posturas assumidas durante o cuidado com o bebê e da necessidade de continuar o acompanhamento fisioterápico em nível ambulatorial. O fisioterapeuta deve orientar a paciente quanto a uma postura correta no leito,

 

            O atendimento inicia-se com a reeducação diafragmática, através da propriocepção em decúbito dorsal ou sentada, a puérpera coloca as mãos sobre o tórax e sobre o abdome enquanto respira profundamente. Em caso de pós-cesariana os exercícios respiratórios são de grande importância, pois com o uso da anestesia geral o muco pode se acumular nos pulmões, para conseguir um padrão respiratório diafragmática a puérpera pode imobilizar a incisão com as mãos ou com uma almofada. É importante estimular o retorno venoso, através de exercícios metabólicos de extremidades para evitar a estase venosa. Em casos de presença de edema e veias varicosas,  devem ser indicados o uso de meias antiembólicas, repouso com os membros inferiores elevados e manobras de drenagem .A normalização da função intestinal deve ocorrer até o quarto dia após o parto, para isso são realizados exercícios de mobilização da pelve.O assoalho pélvico deve ser trabalhado já no puerpério imediato independente do tipo de parto, pois os mesmos são enfraquecidos durante a gestação. Caso a mulher tenha sofrido episiotomia e no pós-parto queixar-se de dor no local da sutura, a crioterapia pode ser indicada.

 

            Aplicação de compressas de gelo moído por vinte minutos ou a massagem com o gelo na região perineal devem ser utilizados para promover analgesia, diminuir o edema e a inflamação.

 

            Em caso de pós-cesariana, a mulher necessita de auxílio para corrigir a postura em flexão assumida para proteção decorrente da dor pós-operatória. A estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) pode ser um recurso utilizado para analgesia pós-operatória.  

 

            Após o parto a puérpera vai se ocupar a maior parte de seu tempo amamentando, trocando fraldas e banhando o bebê, sendo muito comum o aparecimento de dores na coluna, principalmente na região cervical devido à má posição adotada pela mãe. Para que estas tarefas não se tornem um incômodo para a puérpera é necessário que esta seja bem orientada em relação a posturas corretas.Durante a amamentação, a mãe deve-se sentar em uma cadeira, pode usar um travesseiro para apoiar a coluna lombar, um outro sobre o seu colo para elevar o bebê e os pés,  uma outra opção é a bolas de pilates  para amamentação.

 

            O bebê deve ser trocado em superfície que tenha altura próxima da cintura da mãe, para evitar a flexão de tronco. Algumas mães preferem realizar esta tarefa ao nível do solo, assim a posição semi-ajoelhada e sentada sobre o calcâneo proporciona uma boa postura sem desconfortos      Em relação ao banho do bebê, deve-se evitar encher a banheira por meio de vasilhas ou pegá-la enquanto cheia, para isso a banheira pode ficar dentro do banheiro de modo que a mãe possa ajoelhar-se ao seu lado, para ser cheia e esvaziada sem esforços. O carrinho deve ter a altura da cintura da mulher, para evitar a má postura e assim desconfortos na coluna. Nos casos de carregadores de bebê orientar sempre a melhor posição para cada fase de desenvolvimento e orientar suas posições adequadas.

 

            Após o parto é também comum o surgimento de tenossinovite, causada por esforços repetitivos.O tratamento na fase aguda tem como objetivo a redução da inflamação e analgesia.

 

 

 

 

 

Técnicas corporais no auxilio no atendimento no pós-parto.

 

 

 

- PILATES E ISOSTRETCHING: age na tonificação do abdômen e na recuperação do assoalho pélvico (região que sustenta os órgãos do sistema reprodutor) promovendo uma rápida recuperação, cicatrização, e reconquista da qualidade muscular.

 

 

 

- DANÇA: age na tonificação do abdômen e recuperação de assoalho pélvico, trabalha coordenação motora, expressão corporal, sexualidade, integração em aulas em grupos, luticidade, e integração e aumento do vinculo mãe e bebe quando aulas com ambos.

 

 

 

- DRENAGEM LINFÁTICA: ajuda na retenção de liquido nesta fase de pós-parto, relaxa, ajuda a elevar auto estima, e propõe um momento único para mamãe de relaxamento.

 

 

 

- SHANTALA: massagem em bebês para momento de relaxamento e integração e aumento de vinculo ma, pai e filho.

 

 

Mércia Nelly de Morais, fisioterapeuta, artesã e coordenadora do projeto Recanto Mãe Coruja. Texto redigido no Curso de Formação de Doulas Pós-Parto, 2011. Email: recandomaecoruja@gmail.com

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

ONDE ESTÁ?

July 6, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

April 20, 2020

December 2, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags